Pedestre atravessando a rua. Diferenças?

Ser pedestre no Brasil é estar, quase que constantemente, em uma posição desfavorável. Sabemos que o problema não é falta de leis – afinal temos leis específicas de trânsito que garantem direitos aos pedestres – mas é a prática delas. Comparado a isso tudo, temos outra realidade nos Estados Unidos, pelo menos é o que acreditamos. Vamos conhecer agora semelhanças e diferenças no vida do pedestre ao atravessar a rua.

pedestreSegundo a ONU, todos os anos 270 mil pedestres sofrem acidentes ao atravessar a rua, sendo uma grande porcentagem dos casos acontecidos aqui no Brasil.

Uma das principais diferenças entre o Brasil e os Estados Unidos no quesito pedestre está no momento da travessia. Segundo a lei brasileira, ao ver algum indivíduo esperando na faixa, os motoristas devem parar e permitir a travessia. Essa regra básica dificilmente é seguida em boa parte das  capitais brasileiras, o que pode ocasionar graves acidentes aos pedestres desavisados.

Já nos EUA essa regra citada é cumprida a risca – não só por ser uma lei, mas também por considerarem parte da boa educação. Muitos brasileiros que alugam carros são alertados sobre a norma de gentileza para que não sejam prejudicados. Além do risco de provocar um atropelamento – pelo fato de que os pedestres de lá atravessam quase sem olhar pela costume de o motorista sempre parar – o motorista que descumprir pode ser multado.

f962f082551de01078f8b2c96e08b034Outro problema relativo também às travessias é a sinalização para o pedestre. Em muitas capitais brasileiras e em poucas americanas (geralmente as de cidades menores do Sul) não há sinalização adequada. O que pode acontecer é que muitos pedestres atravessam ainda com o sinal aberto. Algumas alternativas, como guardas de trânsito, vieram para facilitar a travessia em grandes avenidas.
Com isso tudo, percebemos que a cultura americana em relação ao trânsito está a anos-luz da nossa e que muito precisamos melhorar, todavia é importante frisar que nada é perfeito. O ponto chave de melhorar está na educação dos pedestres e, principalmente, dos motoristas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *